Cidades

Falsos investidores do TO ostentavam alto padrão de vida e posavam com carros avaliados em R$ 1 mi, diz PF

Por G1 Tocantins 06/05/2022 às 11:30:31
A "propaganda" da vida de luxo atraía as vítimas que caíam nos golpes da quadrilha. Suspeita é que os investigados tenham movimentado cerca de R$ 10 milhões. Falsos investidores ostentavam carros de luxo nas redes sociais

Divulgação/Polícia Federal

A quadrilha suspeita de praticar golpes financeiros e estelionato no Tocantins ostentava alto padrão de vida nas redes sociais. Segundo a Polícia Federal, os criminosos que se passavam por investidores faziam "propaganda" com itens luxuosos e posavam para fotos com carros avaliados em R$ 1 milhão para atrair vítimas.

As investigações tiveram início em 2021 quando a polícia descobriu que os suspeitos se autointitulavam como investidores acima da média. A PF afirmou que há mais de 2 anos a organização criminosa obtia lucros enganando pessoas. A suspeita é que os investigados tenham movimentado cerca de R$ 10 milhões.

"As vítimas eram induzidas a acreditar em investimentos altamente lucrativos, com retorno podendo chegar a 10% ao dia, em um típico esquema de 'pirâmide'", informou a Polícia Federal.

A polícia encontrou joias, relógios, acessórios e bebidas nos endereços dos suspeitos.

Mandados foram cumpridos em Palmas e Porto Nacional

Divulgação/Polícia Federal

A operação 'Midas do Cerrado' cumpriu sete mandados de busca e apreensão e 10 medidas cautelares diversas de prisão em Palmas e Porto Nacional na manhã desta sexta-feira (6).

Conforme a PF, a quadrilha utilizava uma plataforma que tem sede nas Ilhas Seychelles que não possui autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para operar no Brasil. "Além disso, o grupo se utilizava de 'robôs', operando em contas de terceiros, praticando um sistema de 'pirâmide' para lucrar em cima do prejuízo de diversas vítimas, que lhes seguiam e repassavam dinheiro para que fosse investido, acreditando em ganhos estratosféricos", informou a PF.

Relógios e correntes encontradas durante mandados de busca

Divulgação/Polícia Federal

Os envolvidos podem responder pelos crimes previstos no art. 16, da Lei 7.492/86 (Sistema Financeiro Nacional), art. 27-E, da Lei 6.385/76 (Lei da Comissão de valores mobiliários), art. 171, do Código Penal (estelionato), art. 2º, da Lei 12.850/2013 (organização criminosa) e art. 1º, da Lei 9.613/98 (Lei de lavagem de capitais). Somadas as penas passam de 25 anos de prisão.

O nome da operação faz alusão a Midas - personagem da mitologia grega que conseguia transformar em ouro tudo que tocava.

Falsos investidores ostentavam carros de luxo nas redes sociais

Divulgação/Polícia Federal

Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins

Comunicar erro
Comentários
+31
°
C
H: +32°
L: +22°
Palmas (Tocantins)
Domingo, 13 Junho
Ver Previs?o de 7 Dias
Seg Ter Qua Qui Sex S?b
+34° +33° +32° +34° +34° +34°
+23° +24° +23° +23° +23° +24°